26 de abr de 2011

Reflita

Dando um salto até a idade Média, encontramos infelizmente, uma realidade de corrupção na Igreja Romana. Conta-se que um grande Papa leva um teólogo de sua época, contrario à política Romana, para conhecer a grandiosidade das construções religiosas, que demonstravam o poderio católico e o Papa diz maios ou menos assim:

- Veja, não precisamos mais falar como Pedro: “Não tenho Ouro, nem Prata”. A Igreja é abençoada com todas as riquezas da nações.

Ao que o Teólogo, entristecido, devolve:

- Mas também não temos mais a autoridade de Pedro quando diz: “em nome de Jesus, o nazareno, levanta e anda”.

Os valores haviam mudado, e, em vez de confiar no poder de Deus, os religiosos passaram a confiar no poder das riquezas, das conquistas humanas, usando o nome de Deus por uma causa em que o próprio se distanciava mais e mais.

É Quando todo um movimento de reforma está acontecendo pela Europa. Martinho Lutero e suas 95 teses, pregadas na porta da Igreja de Wittemberg, são a gota d’água para a reforma protestante nascente e o mundo se vê diante de uma volta ao cristianismo clássico dos primeiros pais da Igreja Cristã, através de Lutero, Calvino, Zwinglio, entre muitos outros.

Esses dois momentos são emblemáticos. A Igreja que nasce em Pentecostes, pelo poder do Espírito Santo de Deus, enviado pelo Cristo ressurreto e a reforma Protestante são momentos em que o Cristianismo mostra uma força tremenda em suportar um mundo contrario aos valores de Jesus e, pela fé, persistência e profunda convicção nos ensinamentos de Jesus provocam grande transformação nas sociedades de seu tempo.


Extraído do Livro; Lente Cristã, publicado pela FUMAP, no PIJ.

Via: Cristianismo IN FOCO

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários: